Browse Category: K-movie

He was cool (K-movie)

Fala galera! Como segunda-feira é aquele dia que não faz bem para pele, estive colocando pepinos no meu rostinho de bebê e por isso não postei. Sorry, guys.

He was cool

Quando eu terminei de ver He was cool eu imediatamente me perguntei: “Nossa, mas por que mesmo eu sentia vergonha do cinema brasileiro?” Você percebe que você não precisa de um filme nacional bom para rever seus conceitos a respeito, mas sim assistir um filme ruim estrangeiro.

Uma contra dica seriam os filmes argentinos, porque senão depois de vê-los você se jogaria da janela por ser brasileiro. Sorte a nossa que preferimos os coreanos que são como comer em um restaurante à la carte.

He_Was_Cool k movie 1

Mas desse prato aqui eu nunca tinha provado, não. Como falei no início eu revi os conceitos da culinária brasileira e no quesito produção até que ela esteja bem. O cinema brasileiro perde quando tenta imitar os de fora e propõe ora histórias que só exploram a violência ora exploram os traumas psicológicos dos pobres, necessitados, excluídos, abandonados, marginalizados… Ele perde porque não tem nenhuma ousadia sequer em criar algo novo, uma ideia de filmar e escrever uma história que transmita mais uma raiz própria, a cultura nossa.

He was cool, já bem sei, era um esboço de k drama apenas com a história principal, necessitaria encorpar a história com personagens secundários e traminhas paralelas e pronto, k drama was completed.

he was cool

Só que não. Se você googlar He was cool a toda poderosa wikipédia nos diz que essa é uma adaptação do romance de Guiyeoni. E se você quiser um spoiler bem feito é lá também que você pode ir.

He was cool traz uma história engraçadinha de adolescentes no colegial, em que o principal é o Ji Eun-Sung (Song Seung Hun), um garoto metido a valentão que esconde um lado meigo e zeloso e aquele passado de vida/família difícil bla bla e bla. Ele quer ter uma namorada, como todos os garotos nessa idade “pô meu, todos têm namorada só eu não”.

He was cool korean movie

Ele conhece a Han Ye-Won (Jung Da Bin), que tentando fugir dele acaba caindo em cima dele e o beijando. Nisso, o nosso valentão nunca tinha sido beijado e diz a ela que se responsabilize por isso, que eles agora vão começar a sair, se casar.

Ela, no início, não gosta da ideia e também o acha estranho, mas como eles começam a sair e ela começa a conhecê-lo, ela passa de alguma forma a entender suas “estranhezas”. (Isso me lembra quando Makino começa a sair com Doumyouji).

He was cool

É um filme meiguinho que você pode assistí-lo comendo pipoca com o namorado e dizer: “oh, lembra de quando a gente começou a namorar?” você também poderá não prestar atenção nenhuma ao filme, porque eu já contei em duas linhas o principal.

Eu achei que o filme fala sobre mal-entendidos gerados com a falta de comunicação, nota-se que o ator principal fala muito pouco e acabava dando brigas entre o casal facilmente, também tem a intromissão de terceiros no relacionamento dos dois.

He was cool

Acontece de tal maneira que os dois terminam, tanta pela principal ainda ser imatura quanto pelas confusões e brigas do valentão. Até que, ELE TAMBÉM, vai embora por anos (não me lembro se 1) e depois volta para o desfecho, como ela antes tinha sonhado como garota romântica e etc. Mas o romântico foi ele que voltou depois de tanto tempo, beijos.

Palmas para o final. Quando ela está fazendo uma prova e ouve a citação de Romeu e Julieta e a esperança dela de eles se reverem no primeiro dia de primavera (é primeira?/ outono?/ inverno?) com aquela famosa cena da espera dele, no parque em frente à cabine telefônica… Ela como não o vê, pensa que ele não veio. Mas ela se vira e vê o coelho ela deu para Eun-Sung. Ela olha para cima e Eun-Sung está lá. Ela grita com ele dizendo: “Por que você deixou sem dizer adeus?” E Eun-Sung respondeu: “O verdadeiro amor não requer palavras.”

He was cool

O filme termina com a memória Eun Sung de infância de algum evento de abertura de uma escola primária, onde a única criança que iria beijá-lo foi Ye-Won. Sugerindo a ligação entre os dois, quando ele assiste a um vídeo que ela fez dela em seu quarto e tem uma foto dela quando criança.

he was cool

A história não foi nada mal, a produção não tão boa e não pareceu em nada com um filme. É como se de repente a Globo resolvesse fazer um compilation de O clone (algo que nunca imaginamos). A minha crítica talvez seja que um filme que tivesse características diferentes de uma série ou novela, mas eu não vi Crepúsculo e talvez não possa falar a respeito de adaptações de livros ruins. A história, apesar de ter pouco tempo, sempre se apresenta de maneira mais elaborada e instigante para o público, é sempre para se deixar um quê de questionamento…

Eu gostei de He was cool, mas realmente posso chamá-lo de filme? Este é o seu melhor? E com esse final brisa louca?

he was cool

Olha tem mangá francês: Scan Manga

“Ó e agora, o que Jessica Jung acha disso?”

* Todas as imagens utilizadas no post foram retiradas da internet, se você possui direito autoral sobre alguma imagem entre em contato para que seja publicados os devidos créditos.

1. He was cool (K-movie)

Fala galera! Como segunda-feira é aquele dia que não faz bem para pele, estive colocando pepinos no meu rostinho de bebê e por isso não postei. Sorry, guys.

 

Quando eu terminei de ver He was cool eu imediatamente me perguntei: “Nossa, mas por que mesmo eu sentia vergonha do cinema brasileiro?” Você percebe que você não precisa de um filme nacional bom para rever seus conceitos a respeito, mas sim assistir um filme ruim estrangeiro.

Uma contra dica seriam os filmes argentinos, porque senão depois de vê-los você se jogaria da janela por ser brasileiro. Sorte a nossa que preferimos os coreanos que são como comer em um restaurante à la carte.

 

Mas desse prato aqui eu nunca tinha provado, não. Como falei no início eu revi os conceitos da culinária brasileira e no quesito produção até que ela esteja bem. O cinema brasileiro perde quando tenta imitar os de fora e propõe ora histórias que só exploram a violência ora exploram os traumas psicológicos dos pobres, necessitados, excluídos, abandonados, marginalizados… Ele perde porque não tem nenhuma ousadia sequer em criar algo novo, uma ideia de filmar e escrever uma história que transmita mais uma raiz própria, a cultura nossa.

He was cool, já bem sei, era um esboço de k drama apenas com a história principal, necessitaria encorpar a história com personagens secundários e traminhas paralelas e pronto, k drama was completed.he was cool

Só que não. Se você googlar He was cool a toda poderosa wikipédia nos diz que essa é uma adaptação do romance de Guiyeoni. E se você quiser um spoiler bem feito é lá também que você pode ir.

He was cool traz uma história engraçadinha de adolescentes no colegial, em que o principal é o Ji Eun-Sung (Song Seung Hun), um garoto metido a valentão que esconde um lado meigo e zeloso e aquele passado de vida/família difícil bla bla e bla. Ele quer ter uma namorada, como todos os garotos nessa idade “pô meu, todos têm namorada só eu não”.

 

Ele conhece a Han Ye-Won (Jung Da Bin), que tentando fugir dele acaba caindo em cima dele e o beijando. Nisso, o nosso valentão nunca tinha sido beijado e diz a ela que se responsabilize por isso, que eles agora vão começar a sair, se casar.

Ela, no início, não gosta da ideia e também o acha estranho, mas como eles começam a sair e ela começa a conhecê-lo, ela passa de alguma forma a entender suas “estranhezas”. (Isso me lembra quando Makino começa a sair com Doumyouji).

He was cool

É um filme meiguinho que você pode assistí-lo comendo pipoca com o namorado e dizer: “oh, lembra de quando a gente começou a namorar?” você também poderá não prestar atenção nenhuma ao filme, porque eu já contei em duas linhas o principal.

Eu achei que o filme fala sobre mal-entendidos gerados com a falta de comunicação, nota-se que o ator principal fala muito pouco e acabava dando brigas entre o casal facilmente, também tem a intromissão de terceiros no relacionamento dos dois.

He was cool

Acontece de tal maneira que os dois terminam, tanta pela principal ainda ser imatura quanto pelas confusões e brigas do valentão. Até que, ELE TAMBÉM, vai embora por anos (não me lembro se 1) e depois volta para o desfecho, como ela antes tinha sonhado como garota romântica e etc. Mas o romântico foi ele que voltou depois de tanto tempo, beijos.

Palmas para o final. Quando ela está fazendo uma prova e ouve a citação de Romeu e Julieta e a esperança dela de eles se reverem no primeiro dia de primavera (é primeira?/ outono?/ inverno?) com aquela famosa cena da espera dele, no parque em frente à cabine telefônica… Ela como não o vê, pensa que ele não veio. Mas ela se vira e vê o coelho ela deu para Eun-Sung. Ela olha para cima e Eun-Sung está lá. Ela grita com ele dizendo: “Por que você deixou sem dizer adeus?” E Eun-Sung respondeu: “O verdadeiro amor não requer palavras.”

He was cool

O filme termina com a memória Eun Sung de infância de algum evento de abertura de uma escola primária, onde a única criança que iria beijá-lo foi Ye-Won. Sugerindo a ligação entre os dois, quando ele assiste a um vídeo que ela fez dela em seu quarto e tem uma foto dela quando criança.

he was cool

A história não foi nada mal, a produção não tão boa e não pareceu em nada com um filme. É como se de repente a Globo resolvesse fazer um compilation de O clone (algo que nunca imaginamos). A minha crítica talvez seja que um filme que tivesse características diferentes de uma série ou novela, mas eu não vi Crepúsculo e talvez não possa falar a respeito de adaptações de livros ruins. A história, apesar de ter pouco tempo, sempre se apresenta de maneira mais elaborada e instigante para o público, é sempre para se deixar um quê de questionamento…

Eu gostei de He was cool, mas realmente posso chamá-lo de filme? Este é o seu melhor? E com esse final brisa louca?

he was cool

Olha tem mangá francês: Scan Manga