15. Dream High (K-drama)

Falar de Dream High vai ser como jogar campo minado. Um pisar em falso e☻… Dream High me deu muito sono, mas não vou falar “no começo” senão vocês ficam achando que eu mudei de ideia muito cedo. Dream High não me chamou atenção com relação à trama. O enredo, realmente digno, de comparação com High School Musical, sei lá, Rebelde, Amigas e Rivais (?) (os quais não deixam de ser bons entretenimentos, uma vez que atraem muitos telespectadores, lovers e afins etc).

Nada contra. Eu realmente acho que se fizerem da maneira certa é envolvente assistir e se prender naquilo. Mas Dream High não me envolveu o suficiente, até o episódio 10 eu estava vendo por ver e porque tinha prometido aqui uma crítica. Confesso que era total o meu desinteresse no enredo (como algo batido, já muito visto) com duas garotas “rivais” que têm invejinha uma da outra, gostam do mesmo cara (pouco desenvolvido) e ficam com picuinhas e disputinhas bobas. Sim, disputinhas. Dis-pu-ti-nhas.

Mas tudo bem. O que gostei de observar aí, foi que esse drama tratou de forma diferente os seus personagens, nunca antes eu tinha visto uma mudança radical da primeira apresentação das personagens para 2 ou 3 episódios à frente mudarem completamente. Minto, não é bem mudança radical, é a mudança que temos do ponto de vista no decorrer da história. Não é algo totalmente inverossímil, percebemos características da personalidade, de cada uma, estavam sempre lá. Duas personagens incrivelmente trabalhadas.

Não gostei do começo do drama, em que temos a dívida do pai de Go Hye Mi (Su Ji Bae) e a perseguição de um cara lunático que quer que ela vá para Kirin Art School (?), que no ínicio ela achava uma merda sem grandes motivos. Para né. Tudo isso só para que nós aceitássemos o porque de repente Go Hye Mi mudar de ideia e ir para Kirin Art School e se mudar para casa do professor Kang.

Foi um início um tanto grosseiro que nos obrigou a engolir de uma vez só um jiló cozido e frio. Mas como sou uma boa filha, minha mãe já me obrigava a fazer isso quando criança e neste momento já não me incomodava tanto assim o fato do que eu estar comendo e ter um gosto bem horrível. ~Td BrInKs~

Toda a ideia de “dramão” ficou contida em um só personagem em Sam Dong (Soo Hyun Kim) que era do interior e é “levado (persuadido) pela Hye Mi” à ir para Kirin Art School, seu amor pela música e por Hye Mi ficam balançados ao mesmo tempo (isso porque em roteiros somos aconselhados a fazermos cenas de “virada” ao mesmo tempo, ou seja, quando algo acontecer de ruim, tudo acontece de ruim junto) e por causa do vaso na cabeça que ele levou ter deixado uma sequela etc. etc. etc.

É para ele também que transferimos toda nossa simpatia etc. etc. etc. A história dele e seu amor por Go Hye Mi foi muito mais eloquente (desde o começo) tanto quanto seu personagem do que do Hyun Si Hyuk (Jin Guk) (Taec-Yeon Ok). Jin Guk tem aquela história sobre ser filho bastardo de um político ruim, que não tem mãe etc. etc. etc. que bem no começo do drama com aqueles flashbacks de infância, tudo bem, achamos que cut cut etc. etc. etc. Só que não.

A grande verdade é que essa história dele não tem peso. É apenas qualquer coisa para justificar seu relacionamento com Go Hye Mi. Até certo ponto da história a principal foi alguém sem sal nem açúcar. Minto. Até o final. Estava me perguntando por que gostam tanto de Sam Dong? Tudo bem: a) ele é bem mais bonito que Jin Guk; b) ele é um personagem mais fofo, mais carinhoso e mais sonhador que todos os outros; c) a história dele é muito mais interessante, o talento dele melhor que do Jin Guk; d) o amor dele por Hye Mi foi mais desenvolvido.

Eu teria o restante alfabeto inteiro para promover Sam Dong, motivos tais que entendi porque ele é um ator tão querido e amado pelo público. Eu já estava no ep. 10 desejando fortemente que Hye Mi estivesse com Sam Dong. Então, um belo dia na roda gigante ela está com Jin Guk e ele dá um beijo nela. Era isso que ela queria até o momento, o que ela achava que queria. No entanto, nas cenas seguintes acompanhamos a preocupação dela com Sam Dong e consequentemente a percepção (dela) do quanto a “amizade” dele para ela é importante.

A maior parte do drama se dá em Kirin Art School onde os alunos são “rivais” porque estão a todo momento competindo uns com os outros. Uma das ideias desenvolvidas no drama é que nós nos superamos à medida que temos alguém para concorrer, alguém que nos estimule a sermos sempre melhores etc. etc. etc. O que, sem alguém assim, nós temos aquela natureza mole e preguiçosa que acha melhor não fazer nada a não ser que sob pressão (ou não).

Go Hye Mi X Yoon Baek Hee (Eun-jeong Ham) são essas amigas e rivais SBT. São essas que tem que se superar para serem sempre uma mais que a outra. Só que Baek Hee tenta fazer isso trapaceando, “BAEK HEE YOU’RE DOING IT WRONG” é o que ficamos fortemente gritando para ela quando está em cena.

Baek Hee não tem noção nem instrução para saber o quanto está fazendo isso errado, não como Hye Mi e cia tem do prof. Kang. Ele é um apoio e um guia mais pessoal, com atendimento individualizado e emotivo. A questão por trás do prof. Kang, é que a prática de ensinar e aprender depende totalmente da entrega e confiança do professor para com seus alunos.

Prof. Kang acaba sendo muito querido, por ser alguém que busca o sucesso de seus alunos, que assim como ele, também “sofrem” dificuldades impostas por aqueles que não os querem ver prosseguir como o diretor do colégio. Prof. Kang tira dessas “perseguições” algo como lições de vida, coisas que na dificuldade se podem extrair coisas boas ou se tornarem melhores com isso. Bom, balelas.

Pausa poética para o casal de Jason (Woo-young Jang) e Kim Pil Suk (Ji-eun Lee) (IU). Pil Suk é uma garota gordinha que tem uma voz muito bonita e desde o começo tem uma grande simpatia por Jason. Até que Jason pede para que ela emagreça – pensando na possibilidade dela estrear depois – e ela resolve emagrecer. Pil Suk amadurece emagrecendo. Coisa que achei muito importante para o romance dos dois, valorizou muito porque ela percebe que é um esforço muito grande a se fazer para quem quer que seja, por um humano e não por algo maior. Está nas entrelinhas que o amor ou a pessoa amada não pode e não deve ser o único objetivos e sentido de nossas vidas, uma vez que é um ser também “falível” tanto quanto nós mesmos, cheios de defeitos etc. etc. etc.

((Pergunta de geladeira)) »» Só eu achei que o Jason fazer o debut por causa do showcase??? Isso foi no mínimo ESTRANHO! Porque se ele participou do showcase falso como é que ainda conseguiu seu debut do verdadeiro???

Go Hye Mi era soberba, arrogante e até mal educada nos primeiros episódios, é uma personagem peculiar que ficamos nos perguntando porque uma principal tão chata e incomum. Você então espera que a história seja tão espetacular que mereça uma personagem vinda direto de Marte. Não sei se a história dela justifica a abrupta mudança de temperamento, quando ela de repente se toca do quanto estava sendo injusta, errada etc. etc. etc. e vira completamente a casaca. Não sei se é justificável, ou com as circunstâncias é que ela muda, ou que ela sempre era assim e não tínhamos consciência disso… É ao longo do drama que vamos conhecendo a principal e ao mesmo tempo ela mesma se conhecendo, se aprimorando, mudando para estar de acordo com um “dream high” senão ela não seria digna de.

Deixe uma resposta